Home » cidade » Fim do rodízio dos hospitais de plantão em Umuarama deve acontecer em 6 de janeiro

Fim do rodízio dos hospitais de plantão em Umuarama deve acontecer em 6 de janeiro

Redação – 01 de outubro de 2019 – 17:02

 

O dia 6 de janeiro de 2020 foi a data escolhida para o início do novo sistema de atendimento de Urgência e Emergência nos hospitais de Umuarama. Em reunião realizada na tarde de segunda-feira (30), na sede da 12ª Regional de Saúde em Umuarama, autoridades de saúde, médicos, profissionais e técnicos definiram como será o fluxo de acesso dos pacientes aos serviços, a partir desta data.

Será o fim do rodízio dos hospitais de plantão. Instituto Nossa Senhora Aparecida, Associação Beneficente Noroeste do Paraná –Norospar, Associação Beneficente São Francisco de Assis – Cemil, União Oeste Paranaense de Estudos e Combate ao Câncer – Uopeccan, permanecerão abertos todos os dias, 24 horas por dia para o atendimento de Urgência e Emergência.

A partir de 6 de janeiro, o acesso do paciente ao hospital se dará via Central de Regulação de Leitos da 12ª Regional de Saúde e através dos serviços de Urgência e Emergência do Corpo de Bombeiros – SIATE e SAMU, que são interligados.

“A mudança significa colocar o paciente no lugar certo, de acordo com o caso clínico apresentado. Por exemplo, se o paciente está com um quadro de infarto, será encaminhado ao Instituto Nossa Senhora Aparecida, que é referência em cardiologia. Se for uma gestante, será encaminhado ao Norospar,  que é a maternidade de referência, se for um politraumatizado, para o Cemil ou Uopeccan, que são referência em ortopedia”, explicou a diretora da 12ª Regional de Saúde de Umuarama, enfermeira Viviane Herrera.

O paciente não deverá mais ir direto ao hospital, mas procurar a Unidade de Pronto Antendimento – UPA do seu município. Nos casos em que o atendimento for realizado pelo SIATE ou SAMU, o encaminhamento será definido pela Central de Regulação do SAMU, que determinará para qual serviço o paciente deverá ser encaminhado.

Segundo Viviane, foram adotados critérios técnicos para distribuir os atendimentos de forma justa entre todos os hospitais, priorizando a habilitação e expertise de cada um. Para ela, o novo sistema de atendimento irá fortalecer ainda mais a rede hospitalar de Umuarama.

“Nos demais casos, pacientes clínicos, urgência oftalmológica, problemas digestivos e outras ocorrências, os pacientes serão distribuídos por dígito, de forma imparcial e justa”, afirma.

Para o presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde – Cisa-Amerios, presidente da Associação dos Consórcios Intermunicipais de Saúde do Paraná e prefeito de Alto Piquiri, Luis Carlos Borges Cardoso, a mudança é muito esperada e trará benefícios para os pacientes de toda a região.

“Quem sai ganhando é a população, que vai receber um atendimento ainda mais qualificado. A mudança é uma reivindicação antiga e está sendo concretizada depois de muito trabalho e luta”, destacou.

Cardoso parabenizou o trabalho da equipe da 12ª Regional de Saúde, da Central de Regulação de Leitos, bem como os profissionais do SAMU e dos hospitais de Umuarama envolvidos na mudança.

UPA DE UMUARAMA

Ainda não há uma previsão para a entrada em funcionamento da nova Unidade de Pronto Atendimento 24 de Umuarama. Mesmo assim, a 12ª Regional de Saúde garante que o cronograma para o fim do rodízio dos hospitais será mantido.

A secretária de Saúde de Umuarama, Cecília Cividini também participou da reunião. Segundo ela, as obras do novo prédio onde será implantada a UPA 24 horas ainda não foram concluídas. “Estamos aguardando um posicionamento da Unipar sobre adequações necessárias. Antes disso, não teremos uma previsão sobre o funcionamento da unidade”, disse em entrevista.

Outro empecilho é uma medida cautelar do Tribunal de Contas da União, emitida em 15 de setembro, que suspendeu a licitação para a contratação de instituição filantrópica sem fins lucrativos para prestar serviços hospitalares na nova UPA de Umuarama. A Prefeitura de Umuarama apresentou defesa da medida cautelar e aguarda decisão do TCU.

 Por Rosi Rodrigues – Movimento Saúde

[ss_social_share align=”left” shape=”rounded” size=”small” labels=”label” spacing=”1″ hide_on_mobile=”0″ total=”0″ all_networks=”1″]

Comentar

Seu endereço de email não será publicado.Campos marcados são obrigatórios *

*